BORRADOS

BORRADOS

O ministro da Economia, Paulo Guedes, deixou escapulir uma golfada de pânico ao relativizar a possibilidade de um novo AI-5, caso a promessa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de levar o povo às ruas, seja concretizada.

Guedes tem sempre um olhar desesperado sobre a questão social, resultado de sua visão totalitária do mundo herdada, certamente, de sua experiência juvenil de “Chicago boy” com a ditadura sanguinária do general Augusto Pinochet, de quem é genuíno admirador.

O desmoronamento do paraíso neoliberal do Chile, modelo sobre o qual o ministro dedicou os melhores anos de sua vida, encheu-lhe a alma de bílis e reforçou-lhe a certeza de que somente em regimes autoritários, como o de Pinochet, é possível retirar direitos e destruir patrimônios nacionais, sob o silêncio dos cemitérios.

A liberdade de Lula e o sopro de democracia que veio com ele, aliados às manifestações populares, na América Latina, contra o arbítrio de governos de direita, deram aos planos de Paulo Guedes uma transparência incômoda.

Daí, o que apenas tinha ares de vilania revelou-se naquilo que realmente é: um plano de aniquilação da soberania levado a cabo por canalhas sem nenhum pudor.

Agora, buscam autorização, no Congresso Nacional, para matar manifestantes sem serem incomodados e ressuscitam a ideia de um ato de terror, como o AI-5.

Tudo isso porque, apesar de se apresentarem como bestas feras de dentes arreganhados, estão todos se cagando nas calças com medo de Lula.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *