AUTOCRÍTICOS

AUTOCRÍTICOS

No espectro mais sutil do antipetismo, aquele situado no que se convencionou chamar, malandramente, de centro-esquerda, reza-se uma monocórdia ladainha pela autocrítica do Partido dos Trabalhadores.
Esse é um daqueles temas que a direita ignora solenemente ou assiste de longe, entre curiosa e incrédula, apenas para ver no que vai dar. 
Fazer uma autocrítica é, basicamente, reconhecer os erros que cometeu e seguir adiante. Em maior e menor grau, é um expediente social corriqueiro e de cunho pessoal, quase sempre uma escolha que fazemos para nos reconciliarmos com o passado, com pessoas queridas, com a gente mesmo.
Do PT, no entanto, querem que as lideranças fiquem de joelhos no milho, se possível, com link ao vivo no Jornal Nacional, e reneguem toda a sua história – de erros e acertos – para que meia dúzia de ex-aliados raivosos e novos agregados do cirismo possam largar o Lexotan, antes do próximo natal.
Gente que nunca refletiu nem sobre próprio comportamento no cinema, mas que, a cada frustração eleitoral de seus grupos políticos, recorre a esse lengalenga. 
Fico só pensando em Ciro Gomes e seu novo parceirinho de balada, ACM Neto, flanando em Paris e dando gargalhadas desses arautos da autocrítica petista.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *