TIC-TAC

TIC-TAC

A família Bolsonaro, mesmo com todas as limitações intelectuais tornadas públicas, diariamente, deve ter percebido que Fabrício Queiroz está decidido a não se volatizar sozinho sob a pica do tamanho de um cometa, como ele mesmo diz, que o Ministério Público do Rio de Janeiro estaria preparando para enterrar nele.

Antes de seguir adiante, abro parênteses.

Não é impressionante como toda metáfora da narrativa dos Bolsonaros e seus agregados gira em torno de pau no cu? Essa obsessão só pode ser resultado em algum abuso na caserna, haja vista que Queiroz é, também, militar.

Fecho parênteses.

A história das máfias tem demonstrado que, diante do abandono, mesmo os soldados mais leais acabam entregando os esquemas dos chefões para salvar a própria pele. Queiroz, o malandro agulha que depositou um cheque maroto na conta da primeira-dama Michelle Bolsonaro e ficou milionário, alegadamente, vendendo carros usados na porta da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, até ele, tem um ponto de saturação.

Ainda mais agora que, em um dos áudios vazados, provavelmente, pelo próprio Queiroz, o contribuinte descobriu que o presidente tratou com o gerente do laranjal de Flávio Bolsonaro da demissão de Cileide Barbosa Mendes, doméstica da família e laranja na empresa do ex-marido de Ana Cristina Valle – personagem nova dessa novela miliciana, mas com grande potencial de protagonismo, uma vez que já foi casada, também, com o capitão Bolsonaro.

Cileide trabalhava no gabinete do vereador Carlos Bolsonaro, o Carluxo, na Câmara Municipal do Rio, o que torna a história ainda mais atraente: revela, por exemplo, que o presidente da República, junto com Queiroz, cuidou, pessoalmente, de apagar pistas e dar sumiços em arquivos quando o MP começou a apertar o cerco em torno das atividades criminosas da família.

Resta saber quanto tempo Queiroz ainda aguenta sem proteção.

É possível que o laranja já tenha se tornado uma bomba relógio. 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *